Segmentos de mercado

Pgina inicial do IPT   >   Centros Tecnológicos   >   Colunas técnicas

Latas de Ao


COLUNA TÉCNICA – LATAS DE AÇO

Rogério Parra
Chefe do Laboratório de Embalagem e Acondicionamento do IPT
rparra@ipt.br

Texto escrito em 14/11/2014

A reprodução deste texto, no todo ou em partes, é permitida desde que citada a fonte.

Recentemente fui procurado pela jornalista Rachel Ferreira para conversar sobre segurança de latas de aço. Ela estava escrevendo um artigo1 para publicar na revista Abeaço Notícias, editada pela Associação Brasileira de Embalagem de Aço. Durante a entrevista, percebi que uma série de informações técnicas importantes para entender as diferenças entre os diferentes tipos de latas existentes no mercado são desconhecidas de um grande público.

Infelizmente estas informações eram técnicas demais para a publicação objetivo da jornalista. Mas, mesmo utilizando uma linguagem técnica simplificada, entendo que seja importante a sua discussão nesta coluna.

O aço é uma liga metálica à base de ferro. Várias composições de aço são utilizadas para fabricação de latas. A liga MR, que possui relativamente poucos elementos residuais, é utilizada para vegetais e carnes. A liga L é utilizada para produtos mais corrosivos. A liga N, que possui nitrogênio na composição, torna a chapa com mais resistência mecânica, é utilizada em domos de aerossóis. O liga D é a mais fácil de dobrar, indicada para latas com design mais exigentes.

A chapa de aço nua escurece facilmente pela oxidação da superfície. Originalmente, esta chapa era revestida com estanho por imersão a quente para que o estanho desse a proteção ao aço. Esta é a chamada folha-de-flandres. Durante a Segunda Guerra, foi desenvolvido um processo eletrolítico de deposição, o que produz uma camada de estanho mais fina e uniforme. Um processo semelhante pode ser utilizado também para depositar cromo.

A camada de cromo ou estanho impede a oxidação da chapa de aço e também impede que, por exemplo, uma bebida enlatada retire ferro do aço e fique com gosto ruim. A espessura da camada de cromo ou estanho pode ser diferente em cada lado da chapa de aço dependendo da agressividade do que será envasado na lata ou do ambiente em que esta lata ficará exposta. Uma lata de pêssegos da Grécia viaja em um contêiner e, sem o revestimento adequado, o calor e a umidade farão com que a lata chegue ao Brasil com pontos de corrosão no lado externo. Para uma lata de molho de tomate, que parte do interior paulista para a capital, deve se ter uma proteção melhor no lado interno porque a acidez do molho é a maior preocupação.

A camada de estanho oferece melhor resistência à corrosão que o cromo. Mas a camada de cromo possui melhor resistência ao calor, permite melhor litografia, adere melhor a outros revestimentos e resiste ao ataque de produtos que contenham enxofre. No entanto, a placa cromada não solda tão facilmente quanto a estanhada, o que é importante para a formação da lata. Ela requer o uso de um elemento intermediário de fusão ou, então, a remoção da camada de cromo na região de solda.

No entanto, a eficiência desta camada protetiva tem um limite. Daí a necessidade de vernizes e revestimentos internos e externos. Estes revestimentos protegem a lata de corrosão, reação com o produto envasado e abrasão. Existe uma grande variedade de revestimentos: oleorresinas, alquídicos, vinílicos, acrílicos, fenólicos, epóxi-amínicos, polibutadienos, organo-vinílicos ou epóxi-fenólicos.

O revestimento a utilizar é definido pelo conteúdo e pelos processos ao qual a lata será submetida. Por exemplo, para uma lata para vegetais é mais adequado um revestimento a base de oleorresinas. Revestimentos vinílicos são mais flexíveis, mas não resistem ao calor. Epóxi-fenólicos possuem boa adesão e alta resistência química. Organo-vinílicos são flexíveis a ponto de resistirem aos dobramentos e estiramentos da folha de aço quando da formação da lata.

Atualmente, há a possibilidade da aplicação de poliéster para substituir a camada de verniz, o que além da proteção, permite um ótimo efeito decorativo. O fundo de uma lata de espuma de barbear sem um revestimento polimérico provavelmente irá manchar a pia do banheiro.


Bibliografia e referências

1 SEGURANÇA de dentro para fora. Abeaço Notícias, n.44, Out–Nov-Dez 2014. p.4-9
2 HANLON, et al. Handbook of Packaging Engineering. Lancaster (USA): Technomic, 1998. p.332-338
3 ROBERTSON G.L. Food Packaging. New York (USA) : Marcel Dekker, 1993. p.214-220


 
 
Contatos
  • LEA Laboratrio de Embalagem e Acondicionamento
  • embalab@ipt.br
    Tel.: 11 3767-4159