Pgina inicial do IPT   >   Consultas Online   >  Informações sobre madeiras

Informaes sobre madeiras

 

Louro-vermelho

Nome cientfico: Nectandra rubra (Mez) C. K. Allen, Lauraceae.

Outros nomes populares: canela-vermelha, gamela, louro, louro-canela, louro-gamela, louro-mogno, louro-rosa.

Nomes internacionais: determa, grignon franc, grignon rouge, louro vermelho (ATIBT,1982), red louro (BSI,1991), red wood, wana, wane.

Ocorrncia:
Brasil: Amaznia, Amap, Amazonas, Par, Rondnia.
Outros pases: Guiana, Guiana Francesa, Suriname.
 
Face TangencialFace RadialFotomacrografia (10x) 


CARACTERSTICAS GERAIS


Caractersticas sensoriais: cerne e alburno indistintos pela cor, castanho-rosado, escurecendo com o tempo; cheiro e gosto imperceptveis; densidade mdia; gr direita; textura grossa; superfcie irregularmente lustrosa.

Descrio anatmica macroscpica:
Parnquima axial: invisvel mesmo sob lente.
Raios: visveis apenas sob lente no topo e na face tangencial.
Vasos: visveis a olho nu, mdios a grandes; porosidade difusa; arranjo diagonal; solitrios e mltiplos; obstrudos por tilos.
Camadas de crescimento: indistintas.

Fonte: (IPT,1983; IPT,1989a


DURABILIDADE / TRATAMENTO


Durabilidade natural: a Madeira de louro-vermelho considerada moderadamente resistente ao ataque de organismos xilfagos (fungos e cupins), segundo observaes prticas respeito de sua utilizao (IPT,1989a) Em ensaio de campo, foi considerada no durvel (SUDAM/IPT,1981

Tratabilidade: A Madeira, por apresentar vasos obstrudos por tilos, deve apresentar baixa permeabilidade s solues preservantes mesmo em tratamento sob presso (IPT,1989a


CARACTERSTICAS DE PROCESSAMENTO


Trabalhabilidade: a Madeira de louro-vermelho fcil de ser trabalhada, tanto com ferramentas manuais como com mquinas. Aceita bem pregos e parafusos. No apresenta problemas de colagem e o acabamento considerado bom (Jankowsky,1990)  fcil de serrar, aplainar, laminar, faquear, tornear, colar, parafusar e pregar (IBAMA,1997a

Secagem: a secagem ao ar livre lenta e com tendncia a empenamentos e rachaduras. A secagem artificial tambm lenta, podendo ocorrer encruamento e rachaduras internas se as condies do processo forem severas. Esta dificuldade na secagem decorrente da presena de leos essenciais na Madeira (Jankowsky,1990

Programas de secagem podem ser obtidos em (IBAMA,1997a; Jankowsky,1990


PROPRIEDADES FSICAS


Densidade de massa (r):
Aparente a 15% de umidade (rap, 15): 770 kg/m
Bsica (rbsica): 642 kg/m

Contrao:
Radial: 4,0 %
Tangencial: 10,0 %
Volumtrica: 15,9 %

Resultados foram obtidos de acordo com a Norma ABNT MB26/53 (NBR 6230/85). 
Fonte: (IPT,1989a


PROPRIEDADES MECNICAS


Flexo:
Resistncia(fM):
      Madeira verde: 71,5 MPa
      Madeira a 15% de umidade: 93,9 MPa
Limite de proporcionalidade - Madeira verde: 28,0 MPa
Mdulo de elasticidade - Madeira verde: 10032 MPa

Resultados foram obtidos de acordo com a Norma ABNT MB26/53 (NBR 6230/85). 
Fonte: (IPT,1989a

Compresso paralela s fibras:
Resistncia (fc0):
      Madeira verde: 35,6 MPa
      Madeira a 15% de umidade: 49,5 MPa
Coeficiente de influncia de umidade: 4,1 %
Limite de proporcionalidade - Madeira verde: 23,8 MPa
Mdulo de elasticidade - Madeira verde: 16161 MPa

Resultados foram obtidos de acordo com a Norma ABNT MB26/53 (NBR 6230/85). 
Fonte: (IPT,1989a

Outras propriedades:
Resistncia ao impacto na flexo - Madeira a 15% (choque): 15,7
Cisalhamento - Madeira verde: 8,5 MPa
Dureza janka - Madeira verde: 3079 N
Trao normal s fibras - Madeira verde: 6,9 MPa
Fendilhamento - Madeira verde: 0,8 MPa

Resultados foram obtidos de acordo com a Norma ABNT MB26/53 (NBR 6230/85). 
Fonte: (IPT,1989a


USOS


Construo civil:
Leve em esquadrias:
      batentes
      portas
      janelas
Leve interna, decorativa:
      painis
      forros
      lambris
Leve interna, estrutural:
      ripas
      partes secundrias de estruturas

Mobilirio:
Alta qualidade:
      mveis decorativos

Outros usos:
      chapas compensadas
      decorao e adorno
      lminas decorativas