Pgina inicial do IPT   >  Notícias

Notcias


compartilhe


  12.09.17

Segurana em pisos


IPT realiza ensaios para avaliar absorção de impacto em pisos esportivos e de playgrounds e prevenir lesões na cabeça


A norma ABNT 16071, criada em 2012, traz orientações para proporcionar a segurança de balanços, escorregadores, gangorras e carrosséis, entre outros brinquedos, e garantir o bem-estar das crianças em playgrounds e escolas, shoppings centers, condomínios, parques e outras edificações com áreas de lazer. Dividida em sete partes, ela especifica, por exemplo, como devem ser os pisos em áreas onde é necessária a atenuação de impacto. Porém, como garantir que os produtos disponíveis no mercado são realmente seguras?

A resposta para essa pergunta pode ser encontrada no Laboratório de Tecnologia Têxtil do IPT, mais precisamente no ensaio denominado Altura Crítica de Queda.
Ensaio de altura crítica de queda também pode ser aplicado na avaliação de tatames de academias de lutas e pisos de grama sintética
 
O teste consiste em usar um aparelho que mede o HIC (critério de lesão na cabeça, do inglês head injury criterion) da superfície para prever se ela absorveria ou não o impacto de uma queda.

“É lançada uma semiesfera, chamada de projétil, de uma determinada altura até a superfície testada para a execução do ensaio. Dentro do projétil há um sensor que determina, através de cálculos de aceleração e velocidade, se a superfície pode ou não proteger uma pessoa de danos na cabeça”, explica Fernando Soares de Lima, chefe do laboratório.

Além dos pisos de playgrounds, podem ser testados também tatames usados em academias de lutas e pisos de grama sintética, garantindo que crianças e atletas estejam seguros ao sofrerem eventuais quedas. O aparelho medidor importado da Europa é, segundo Lima, exclusividade do Instituto no Brasil. “O laboratório do IPT é um dos laboratórios mais qualificados que existem no Brasil para fazer esse tipo de análise. É importante que todo fabricante de superfícies para proteção de queda verifique a eficiência do produto”, conclui ele.