Pgina inicial do IPT   >  Notícias

Notcias


compartilhe


  09.06.10

Metrologia de ondas


IPT investe em capacitação para obter rastreabilidade de grandezas magnéticas


O Laboratório de Metrologia Elétrica (LME) do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) está se capacitando para obter rastreabilidade de grandezas magnéticas. O trabalho, inovador no Brasil, possibilitará a realização de medidas confiáveis e a caracterização magnética numa ampla faixa de intensidades de campo e indução magnética. Aplicações incluem ensaios, calibrações e desenvolvimentos de componentes e equipamentos usados em prospecção geofísica, espectroscopia e análises químicas, medicina diagnóstica e terapêutica, além de máquinas e carros elétricos.

O IPT investiu, via um projeto de modernização de seus laboratórios, 50 mil euros em equipamentos e capacitação nessa área. Estes recursos permitirão ainda o desenvolvimento de métodos simples para a caracterização de nanopartículas magnéticas. Na medicina, estas nanopartículas poderão contribuir para a identificação e destruição de tumores e na orientação magnética do trajeto de medicamentos até o ponto de interesse, evitando danos colaterais em tecidos saudáveis. Em uma macroescala, métodos magnéticos podem ser usados para verificar a integridade estrutural de componentes como dutos, risers e umbilicais em instalações industriais e plataformas de extração de petróleo.
Ramon realizou intercâmbio no Fraunhofer-Gesellschaft, Alemanha
 

O pesquisador Ramon Valls Martin realizou intercâmbio de seis meses no Physikalish-Technische Bundesanstalt (PTB) e no Fraunhofer-Gesellschaft, Alemanha, para conhecer as instalações e capacitações nas áreas de metrologia magnética, ensaios não-destrutivos, e caracterização de materiais com ênfase em métodos magnéticos. Inscrito no Programa de Desenvolvimento e Capacitação no Exterior, Martin afirma que enquanto a Alemanha basicamente exporta conhecimento tecnológico, a economia do Brasil ainda é baseada em commodities.

“O Brasil possui abundantes recursos naturais, mas fica refém da variação na demanda externa. Precisamos dominar o ciclo de transformação destes recursos, e pensar em uma pauta de produtos que agreguem o maior valor tecnológico possível. Assim, o incentivo à inovação em áreas tecnológicas carentes torna-se fundamental, e os resultados serão muito positivos desde que haja também investimentos em infraestrutura e capacitação de profissionais", conclui.