Pgina inicial do IPT   >  Notícias

Notcias


compartilhe


  11.06.10

Medio de consumo de gua


Pesquisador do IPT apresenta em congresso estudo sobre vazão noturna em residências


Fonte: Sabesp

A Sabesp e o IPT (Instituto de Pesquisas Tecnológicas) se uniram para descobrir quais são os locais onde mais se consome água em uma residência: bacia sanitária, torneiras da cozinha e do banheiro ou no chuveiro. Parte desse projeto, elaborado pelo instituto a pedido da Sabesp, foi apresentado na manhã de quarta-feira, nove de junho, no último dia do 6º Congresso Internacional de Perdas de Água.

A abertura da palestra ficou a cargo de Ricardo Chahin, gestor do Pura (Programa de Uso Racional da Água), da Sabesp. O engenheiro explicou qual o objetivo desse projeto: “Esse conhecimento possibilitará à Sabesp elaborar um plano de contingência ou campanhas de comunicação para conscientização sobre uso racional da água e instalação de equipamentos economizadores”.

A ideia é localizar onde o morador consome mais água e desenvolver metodologia para aferir isso com precisão. Dessa forma, as ações de conscientização da Sabesp poderão ser mais focadas.

Barreto: Medidores instalados em 40 residências trouxeram dados sobre consumo noturno
 


A parte do projeto que foi apresentada no congresso trazia dados da vazão noturna nas residências. As informações foram expostas pelo pesquisador do IPT Douglas Barreto. Foram selecionados 100 endereços do hall de consumidores da Sabesp e em 40 deles o instituto instalou medidores de consumo tanto no cavalete quanto dentro da residência, em cada ponto de entrada de água (torneiras, bacias sanitárias etc.). Dessa forma, o consumo em cada um dos cômodos da casa pode ser analisado.

Com relação à vazão noturna, o que se pode perceber é que, entre 3h e 4h, as pessoas também consomem água em atividades domésticas – ou seja, é consumo de verdade, não vazamento noturno como se pensava. A questão é que esse volume não é medido na totalidade pelo hidrômetro, pois é muito baixo.

Segundo Douglas, daqui para frente o IPT e a Sabesp pretendem ampliar o número de residências pesquisadas, para que resultados mais bem estruturados sejam alcançados. “A sociedade está clamando para que a gente resolva isso”, disse ele, referindo-se ao desperdício de água.

Marco Fantozzi, que presidia a rodada da qual esta palestra fez parte, elogiou a iniciativa do IPT e da Sabesp e afirmou que esse estudo poderá ser usado para dar início a análises mais profundas sobre vazões noturnas e uso da água residencial.