Pgina inicial do IPT   >  Notícias

Notcias


compartilhe


  03.12.10

Tecnologia qumica


Intercâmbio traz competências ao IPT em formulações de revestimento funcionalizado na linha de nanomateriais


Para aumentar as competências do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) em materiais nanoestruturados, a engenheira química Maria Helena Ambrosio Zanin realizou um intercâmbio durante dez meses no Fraunhofer Institute for Chemical Technology (ICT) com foco na área de revestimentos funcionalizados aplicados a polímeros. A viagem foi realizada dentro do Programa de Desenvolvimento e Capacitação no Exterior (PDCE), que foi criado no final de 2008 para capacitar o corpo técnico do Instituto.

Os estudos da pesquisadora do Laboratório de Processos Químicos e Tecnologia de Partículas (LPP) concentraram-se na síntese de revestimentos e aplicação em superfícies de materiais poliméricos que apresentam funções interativas por meio de estímulos externos, neste caso a luz. Exemplos do emprego de materiais funcionais estão presentes no dia-a-dia: já é possível encontrar salas em hospitais que foram revestidas com tintas de propriedades antifúngicas, desenvolvidas a partir de materiais que reagem no contato com a iluminação interna e evitam a contaminação por bactérias.

O projeto de pós-doutorado da pesquisadora na unidade do instituto alemão da cidade de Pfinztal foi inserido no projeto “Clean Sky”. Trata-se de uma iniciativa tecnológica da Comunidade Europeia que busca o desenvolvimento de um modelo de aeronave com menor impacto ambiental, e envolve um total de 86 indústrias e instituições de pesquisas públicas e privadas de 16 países.

“Cada parte da aeronave está sujeita ao ecobalance desde a produção até o descarte dentro do projeto. Neste contexto os pesquisadores estão desenvolvendo métodos, processos e novos materiais para produção, operação e reciclagem das aeronaves”, explica Maria Helena.
Maria Helena: intercâmbio na Alemanha mostrou importância do envolvimento entre pesquisadores e empresários na avaliação dos resultados das pesquisas
 
“Em meu trabalho, atuei em um grupo voltado a estudos de revestimentos funcionalizados para aplicação nas cabines de aeronaves. Foram estudados diversos materiais poliméricos para este fim, como polipropileno (PP), acrinonitrila butadieno estireno (ABS), polimetil metacrilato (PMMA) e policarbonato (PC).”

O trabalho no Instituto Fraunhofer foi executado dentro do grupo de novos materiais e subgrupo de fotocatálise, junto aos pesquisadores Nicolas Zydziak e Christof Hübner, e teve como foco o uso de nanopartículas de dióxido de titânio (TiO2). O composto já é consagrado como pigmento branco para uso em tintas, bloqueador solar em cosméticos e corante em alimentos; recentemente, foi identificado o seu grande potencial para degradar poluentes biológicos ou orgânicos presentes em águas residuais ou na atmosfera, por meio da fotocatálise na presença de luz interna ou solar.

CONTINUIDADE - “Em dez meses com esse grupo, a grande riqueza do intercâmbio foi conhecer o trabalho em um instituto que possui semelhanças com o IPT na pesquisa aplicada com o desenvolvimento de novas tecnologias. Foi possível acompanhar o dia-a-dia dos pesquisadores, a execução de propostas aos clientes e a gestão dos projetos”, explica Maria Helena, que ficou impressionada com a atenção dada ao fechamento dos trabalhos. “É dada uma grande importância às reuniões neste momento. Há um envolvimento entre pesquisadores e parceiros das indústrias com foco na avaliação dos resultados, como novos procedimentos, metodologias e produtos”.

O primeiro fruto no Brasil a partir do intercâmbio da pesquisadora foi a submissão de um projeto via FP7, o principal instrumento da Comunidade Europeia para financiamento de pesquisas. Maria Helena é responsável pela subcoordenação de parte de um projeto para desenvolvimento de embalagens alimentícias a partir de matéria-prima da biodiversidade brasileira, com o uso de revestimentos funcionalizados para evitar o crescimento de fungos e bactérias. A proposta está em fase de julgamento.

O projeto terá a coordenação do Fraunhofer Institute for Interfacial Engineering and Biotechnology (IGB), a participação do Fraunhofer Institute for Process Engineering and Packaging (IVV) e contará ainda com o apoio do Laboratório de Biotecnologia Industrial (LBI) do IPT, além do próprio LPP no qual trabalha a pesquisadora.