Pgina inicial do IPT   >  Notícias

Notcias


compartilhe


  16.12.10

Medio de vazo de petrleo


IPT inaugura laboratório inovador que ajudará indústria do petróleo a realizar medições com maior confiabilidade 


O Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) inaugura nesta quinta-feira, 16 de dezembro, seu novo Laboratório de Metrologia de Vazão de Óleo, vinculado ao Centro de Metrologia de Fluidos (CMF) do Instituto. Para a sua construção, o laboratório recebeu investimento total de R$ 6,7 milhões, dos quais R$ 4,0 milhões vieram da Petrobras, por meio de projeto da Rede de Metrologia; R$ 2 milhões foram investidos pela Secretaria de Desenvolvimento do Estado de São Paulo, como parte do projeto de modernização do IPT; e R$ 700 mil foram destinados pela FINEP, ligada ao Ministério de Ciência e Tecnologia.

Instalado em uma edificação de 750 metros quadrados dentro do campus do IPT na Cidade Universitária, o laboratório foi projetado e construído com a finalidade principal de atender às necessidades da indústria nacional do petróleo e dos órgãos reguladores do setor na realização de calibrações, testes, ensaios comparativos, pesquisas e desenvolvimentos em diferentes tipos e modelos de medidores e componentes de sistemas de medição de vazão de óleo e de derivados.
Laboratório de Metrologia de Vazão de Óleo recebeu investimento de R$ 6,7 milhões
 

A instalação laboratorial tem a capacidade de atingir vazões de até 1000 m³/h e, por meio da utilização de um padrão gravimétrico de referência e de padrões de trabalho em linha, pode fornecer baixas incertezas na medição de volumes de produtos.

A ampla seção de testes com flanges de espera de 16 polegadas possibilita a instalação de trechos retos de tubulação de até 35 m de comprimento ou a montagem de configurações de tubulação complexas com trechos retos curtos, curvas, reduções e válvulas permitindo a simulação de condições reais existentes em estações de medição em terra ou em plataformas offshore.

Operando em um ambiente totalmente climatizado, o laboratório utiliza três óleos de diferentes viscosidades (baixa, média e alta) e por meio do controle preciso da temperatura do fluido de teste e da pressão na linha, permite a simulação da maioria das condições de operação encontradas no campo.
Laboratório foi construído com a finalidade principal de atender às necessidades da indústria nacional do petróleo e dos órgãos reguladores do setor. Foto: Agência Luz
 


O laboratório é complementado por uma unidade móvel composta de um provador padrão, calibrado por meio dos padrões do laboratório, transportado em carreta especial e que possibilita realizar testes e calibrações de medidores de vazão com os fluidos reais de processo e nos próprios locais de operação.

O laboratório será fundamental para a indústria nacional do petróleo uma vez que as medições de volumes de produtos são a base quantitativa para a contabilização das receitas, custos e lucros das empresas do setor. Será também importante na garantia da exatidão das medições fiscais realizadas sobre a produção do petróleo em território nacional e utilizadas na contabilização dos royalties e das participações especiais, além de proporcionar confiabilidade nas atividades de tributação realizadas em todas as etapas do processo de produção, transporte, refino e distribuição do petróleo e seus derivados.

ENSAIOS PESADOS – O IPT inaugura também nesta quinta-feira, 16 de dezembro, as obras civis de seu novo prédio de Ensaios de Estruturas Pesadas, que irá atuar no suporte técnico, principalmente à Petrobras, para a exploração e produção de petróleo do pré-sal. O laboratório realizará ensaios estáticos e dinâmicos de fadiga de longa duração em estruturas e equipamentos de grande porte, que são aplicados em elementos de ancoragem de plataformas offshore, risers, umbilicais, dutos flexíveis e rígidos, entre outros.
O novo prédio de ensaios de estruturas pesadas irá atuar no suporte técnico para a exploração e produção do petróleo do pré-sal. Foto: Agência Luz
 

Grande parte do total de R$ 21,7 milhões para a montagem do laboratório envolve novos investimentos: a Petrobras está participando do projeto com R$ 9,4 milhões para a compra de equipamentos e o Governo do Estado de São Paulo com R$ 8,5 milhões para a construção do prédio no campus do IPT, totalizando R$ 17,9 milhões. Os outros R$ 3,8 milhões que completam o montante envolvem investimentos já feitos em equipamentos, com recursos provenientes da FINEP e de empresas privadas do setor de mecânica pesada interessadas em novas capacitações laboratoriais.

A construção do prédio é necessária porque com o pré-sal as profundidades de exploração em alto mar chegam a 3 mil metros ou mais. O aumento da lâmina d’água implica maior efeito hidrodinâmico sobre as linhas de ancoragem e demais estruturas offshore, com cargas de ruptura que podem chegar a 2 mil toneladas força (tf). Os ensaios que serão realizados pelo IPT vão apoiar a certificação de processos de acordo com as normas para essas aplicações.

O futuro prédio será equipado com uma bancada de ensaios para cargas estáticas de até 2,6 mil tf, que poderá ser considerada a maior do Brasil no gênero. Somente nessa bancada o investimento é de R$ 8,7 milhões. O laboratório terá outras seis bancadas para ensaios pesados, mas de menor porte. Para que todos esses sistemas possam operar, o laboratório será equipado com infraestrutura adequada, possuindo um sistema hidráulico completo e um sistema de hard line para alimentação dos atuadores hidráulicos, que vão percorrer as canaletas no piso, com 2,2 metros de profundidade e 1 metro de largura.

BIONANOMANUFATURA – Na mesma data, também são inauguradas as obras civis do novo prédio de bionanomanufatura do IPT, que será o mais moderno centro de pesquisas dessa área no país. Com investimento de R$ 46 milhões, o prédio, de oito mil metros quadrados, será destinado ao estudo de biotecnologia (desenvolvimento com organismos vivos), tecnologia de partículas (microencapsulação de componentes químicos e terapia medicinal, como em cosméticos), micromanufatura de equipamentos e metrologia.

A bionanomanufatura é a área de pesquisa para descoberta e produção de materiais milhares de vezes menores que a espessura de um fio de cabelo. Tradicionalmente, uma partícula recebe o prefixo "nano" caso tenha diâmetro entre um e 100 nanômetros, ou cerca de 0,01% do diâmetro de um fio de cabelo. Atualmente, cerca de 600 produtos que contêm nanomateriais estão no mercado em todo o mundo.

A nova edificação, que faz parte do projeto de modernização do IPT, tem custo de R$ 21 milhões. Outros R$ 25 milhões estão previstos para instalações e equipamentos. Esses recursos são oriundos do governo do Estado de São Paulo.