Pgina inicial do IPT   >  Notícias

Notcias


compartilhe


  28.09.11

Produtividade em siderurgia


Pesquisadores do IPT estudam caso de sucesso de inovação com cilindros para laminação de chapas de aço


Um exemplo de parceria para promover a inovação foi apresentado ontem no Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) pelo pesquisador Mario Boccalini Junior, do Laboratório de Metalurgia e Materiais Cerâmicos (LMMC) do Instituto. Durante o encontro mensal de profissionais que faz parte da programação ‘Café com tecnologia’, que sempre aborda assuntos ligados à inovação, Boccalini mostrou o histórico e os resultados do Centro de Desenvolvimento de Cilindros (CDC), programa de P&D conduzido conjuntamente por Gerdau (Villares Rolls), IPT e Escola Politécnica da USP a partir do ano 2000 para desenvolver cilindros de laminação de alto desempenho.

Boccalini: ‘A inovação é feita dentro da empresa porque é ela que conhece o mercado e sabe indicar as demandas’
 
O CDC surgiu com uma mudança de postura da direção da empresa, que decidiu abandonar seu papel de seguidora de tecnologia para ser desenvolvedora, buscando se estabelecer à frente da concorrência.

Boccalini disse que o sucesso do projeto foi possível graças à inserção dos pesquisadores na empresa e também pela perspectiva de longo prazo para maturação de ideias. “A inovação é feita dentro da empresa porque é ela que conhece o mercado e suas demandas de curto e longo prazo”, afirmou. Por conta dessa sinergia, a gestão da carteira de projetos do CDC era extremamente dinâmica, adaptando-se às necessidades da empresa frente às demandas do mercado a cada momento.

Na época da criação do CDC, a Villares Rolls era uma unidade de negócios da Aços Villares, que em 2007 foi comprada pela Gerdau. O principal desafio do grupo, que chegou a envolver 30 pessoas entre pesquisadores e estudantes, era desenvolver cilindros que sofressem menor desgaste durante o uso, permitindo reduzir as paradas para trocas dessa ferramenta no trem de laminação.

Cilindro de laminação é um ‘bimetal’ feito com materiais fundidos e depois usinados: peso da peça é de 10 toneladas | crédito: Gerdau
 
Em um dos anos em que o CDC esteve no auge de atuação, em 2006, a parcela da receita líquida da Villares Rolls oriunda de projetos do CDC chegou a 37,4%. Nesse mesmo ano, os impostos arrecadados a partir da produção gerada com a implantação desses projetos chegaram a R$ 23,8 milhões.

Boccalini explica que cilindros de laminação são produzidos por meio de fundição por centrifugação, processo que no início do CDC não era conhecido pelo IPT, apesar da experiência com fundição. Mas o pesquisador diz que isso não chegou a ser empecilho, em vista da tradição do Instituto em atuar na área metalúrgica. Para conduzir os projetos do CDC, foi montada no IPT uma unidade piloto de fundição centrífuga. O cilindro, que tem peso de 10 toneladas, é produzido com dois metais fundidos: um para a parte externa, com espessura de 60 milímetros e que deve ter alta resistência ao desgaste, e outro para a parte interna.

Um dos projetos do CDC de maior sucesso envolveu o desenvolvimento de cilindro destinado às últimas cadeiras do trem de laminação com desempenho em serviço igual ao do cilindro destinado às primeiras cadeiras do trem de laminação, isto é, com uma produtividade de 10.000 toneladas de aço laminado por mm de diâmetro de cilindro consumido (a produtividade dos cilindros destinados às últimas cadeiras utilizados até então não passava de 5.000 ton/mm).

Esse novo cilindro foi batizado de ‘equalizer’ e foi obtido graças à composição de conhecimentos do IPT, no que concerne a processos de fundição e desenvolvimento de ligas especiais, com os estudos da Escola Politécnica quanto ao desgaste de superfícies.

Com o desenvolvimento do novo cilindro, a quantidade de trocas de cilindros no usuário caiu de 183 por mês para 114. Considerando o tempo de troca de oito minutos para cada cilindro, o ganho mensal de tempo foi de 9,2 horas, o que se traduziu em uma disponibilidade de mais 6.670 toneladas de aço laminado por mês.

Do ponto de vista financeiro, a inovação se traduziu em cerca de R$ 90 milhões de crescimento no faturamento anual da empresa siderúrgica usuária do cilindro.

Boccalini acredita que esse modelo de inovação, principalmente em suas diretrizes, espelha bem o potencial de desenvolvimento das parcerias entre empresas e entidades de pesquisa na busca por inovação. Além da disposição para troca de experiências entre os parceiros, ele entende que é fundamental para o sucesso medir os resultados apurados. “São eles que permitem vislumbrar o valor agregado com os projetos de inovação e dão combustível para as iniciativas”.

Outro aspecto relevante é que a experiência gerou direitos de propriedade intelectual para os pesquisadores. O produto desenvolvido tem pedidos de patente depositados em 11 países, entre eles, Suécia, Canadá, China e Espanha. No estabelecimento da parceria, foi prevista ainda a remuneração da pesquisa por meio de uma taxa de sucesso, o que contemplou as expectativas geradas.