Pgina inicial do IPT   >  Notícias

Notcias


compartilhe


  06.06.13

SP investe em capim-elefante


Governo de SP, por meio da pasta do Desenvolvimento, investe em projeto do IPT para obter energia de biomassa


Um projeto do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) para geração de energia a partir do capim-elefante, na região do município paulista de Panorama, localizado a quase 700 quilômetros da capital, irá atender a uma cooperativa de produtores de cerâmica vermelha – basicamente tijolos e telhas – que reúne quase uma centena de pequenas e médias empresas locais. Para isto, será assinado um contrato no âmbito do Patem, o Programa de Apoio Tecnológico aos Municípios, entre a Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia do Estado de São Paulo e a Prefeitura Municipal de Panorama, no interesse das pequenas e médias empresas cooperadas. O valor do projeto, que inclui a contrapartida dos beneficiários, é da ordem de R$ 767 mil.

Capim-elefante mostra-se uma alternativa de alta eficiência energética, com a vantagem de manter em equilíbrio o balanço das emissões de gases do chamado efeito estufa, explica pesquisador do IPT
 
Segundo Vicente Mazzarella, coordenador do projeto e pesquisador do Núcleo de Atendimento Tecnológico à Micro e Pequena Empresa do IPT, o capim-elefante é uma fonte energética sustentável e de alto potencial para suprir as necessidades dos ceramistas em toda a região de Panorama. “Existe uma demanda firme por energia na geração de calor para a queima dos produtos cerâmicos. O capim-elefante mostra-se como alternativa de alta eficiência energética para esta finalidade, com a vantagem de manter em equilíbrio o balanço das emissões de gases do chamado efeito estufa. Hoje já existem outros países emergentes, como a China, por exemplo, que começam a apostar neste energético de alto rendimento".

CHINA – Uma comitiva chinesa da Beijing Academy of Agriculture and Forestry Sciences que congrega 14 institutos de P&D&I na área agrícola, energia limpa, biomassas e meio ambiente visitou o IPT no último mês de março, quando firmou um memorando de entendimento para cooperação nos desenvolvimentos de plantio e uso do capim-elefante para aplicações industriais.

Segundo Mazzarella, a instituição chinesa aprovou recentemente a realização de um projeto piloto similar ao do IPT e isto possibilitará uma comparação de metas e resultados. “O projeto piloto de campo do IPT em Panorama teve disponibilizada uma área de 15,1 hectares, próxima às cerâmicas, e obedecerá diretivas que busquem maximização de resultados, via combinação de variáveis, de interesse para a microrregião. A abordagem é única e deverá interessar progressivamente, além das cerâmicas, a outros usuários como os setores industriais grandes consumidores de calor, de vapor, termoeletricidade ou, ainda, matérias-primas abundantes para etanol celulósico, pré-carvão de alto poder calorífico e outros".