Pgina inicial do IPT   >  Notícias

Notcias


compartilhe


  16.12.13

Desafios para inovao


Programa do IPT estimula pesquisadores que atingiram as metas de inovação e produtividade nos trabalhos


Em cerimônia realizada quinta-feira, 12 de dezembro, a diretoria executiva do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) homenageou pesquisadores e pesquisadoras por seus trabalhos técnicos que se destacaram em quesitos de inovação e produtividade. Trata-se do 'Programa de Estímulo à Inovação e à Produtividade Tecnológica', criado em 2011 para que as equipes e profissionais individualmente encarem no dia a dia das pesquisas as diversas faces das demandas científicas e tecnológicas da sociedade.

“O programa busca estimular tanto o incremento da produção de indicadores de inovação quanto a produtividade das áreas técnicas do Instituto, além de valorizar o desempenho profissional dos empregados. Em relação aos artigos, por exemplo, é importante para qualquer profissional divulgar o seu trabalho: não existe nenhum pesquisador famoso que não publique”, afirma a diretora de inovação do IPT, Zehbour Panossian.

Equipe responsável pelo depósito da patente 'Processo de obtenção de ativos amorfos nanoestruturados produzidos por sistemas microfluídicos em meio aquoso livre de emulsificantes e produto' e diretoria executiva do IPT: da esq. para a dir, Silas Derenzo, Adriano Marim e Natalia Cerize (pesquisadores), Altamiro Francisco da Silva (diretor financeiro e administrativo), Mario Gongora (pesquisador) e Zehbour Panossian (diretora de inovação)
 
Para cada modalidade e patente, é concedida uma viagem de estudos, no Brasil ou no exterior, em instituição renomada, ou participação em eventos na área de interesse do pesquisador ou pesquisadora. Nos casos em que há mais de um colaborador, os próprios grupos de pesquisa indicam um dos profissionais para a viagem. A novidade nesta edição foi a inclusão da modalidade ‘Crescimento de Resultado’ na categoria Equipe, na qual se considerou a variação do resultado absoluto do centro de custo por funcionário, em uma comparação entre os resultados dos dois anos anteriores ao ano de edição do programa – somente foram contabilizados laboratórios com resultado positivo em 2012.

“Os bons resultados são fruto de um maior entrosamento da equipe, com a vantagem de termos profissionais maduros. Ajudou também o aumento da demanda por projetos para o setor público, desde estudos de ordenamento territorial geomineiro e de prospecção e pesquisa mineral”, afirma Edson Del Monte, responsável pela Seção de Recursos Minerais e Tecnologia Cerâmica e vencedor na categoria ‘Crescimento do Resultado’. “A equipe do Laboratório de Processos Químicos e Tecnologia de Partículas, o LPP, está muito feliz. A premiação é o resultado de um esforço coletivo em um ano em que estivemos focados, basicamente, na negociação de novos projetos. Ainda assim conseguimos obter um aumento expressivo em nosso faturamento per capita do grupo que contribuiu na elaboração e depósito de seis patentes”, completa Wagner Aldeia, responsável pelo laboratório.

Duas das quatro pesquisadoras com maior número de produção individual de artigos chamaram a atenção para a importância do apoio da instituição aos seus profissionais e, novamente, para o trabalho da equipe. “O IPT é uma instituição emblemática e de grande importância nacional para o desenvolvimento científico e tecnológico do estado de São Paulo e do país. O estímulo à produção científica e tecnológica é uma decisão acertada para o contínuo aprimoramento dos profissionais e dos projetos e serviços ofertados pelo IPT”, afirma Cláudia Echevenguá Teixeira, pesquisadora do Laboratório de Resíduos e Áreas Contaminadas. “Distinguir a importância da comunicação dos conhecimentos adquiridos no IPT para os pares da comunidade técnico-científica é o principal diferencial dessa premiação”, completa Amarilis Lucia C. Figueiredo Gallardo, pesquisadora do Laboratório de Recursos Hídricos e Avaliação Geoambiental. “Embora laureada na categoria individual, aprendi a trabalhar em equipe no IPT e reconhecer que sem cooperação nada se conquista”.

Confira a seguir os destaques em cada categoria, com os respectivos indicadores de desempenho (os laboratórios, seções e pesquisador assinalados abaixo em itálico terão direito aos recursos para as viagens):

Equipe – Publicação de Artigos

1. Laboratório de Corrosão e Proteção - 1,72 artigo/pesquisador
2. Laboratório de Conforto Ambiental e Sustentabilidade dos Edifícios – 1,29 artigo/pesquisador
3. Laboratório de Estruturas Leves – 1,25 artigo/pesquisador

Equipe – Procedimentos de Ensaio e de Calibração no Sistema da Qualidade

1. Laboratório de Instalações Prediais e Saneamento – 8,2 procedimentos/pesquisador
2. Laboratório de Madeira e Produtos Derivados – 6,4 procedimentos/pesquisador
3. Laboratório de Tecnologia Têxtil – 5,4 procedimentos/pesquisador

Equipe – Receitas em Projetos de P&D

1. Seção de Soluções de Software e Sistemas para Engenharia – R$ 273 mil/pesquisador
2. Laboratório de Processos Metalúrgicos – R$ 228 mil/pesquisador
3. Laboratório de Estruturas Leves – R$ 215 mil/pesquisador

Equipe – Procedimentos Inovadores

1. Seção de Automação, Governança e Mobilidade Digital – 6 ensaios
2. Laboratório de Segurança ao Fogo – 4 ensaios
3. Laboratório de Componentes e Sistemas Construtivos e Laboratório de Resíduos e Áreas Contaminadas – 2 ensaios cada

Equipe – Produtividade Tecnológica

1. Seção de Seção de Soluções de Software e Sistemas para Engenharia – R$ 93,3 mil/colaborador
2. Laboratório de Calçados e Produtos de Proteção – R$ 89,3 mil/colaborador
3. Laboratório de Papel e Celulose – R$ 83,9 mil/colaborador
4. Laboratório de Metrologia Mecânica – R$ 24,8 mil/colaborador

Equipe – Crescimento do resultado

1. Seção de Recursos Minerais e Tecnologia Cerâmica – R$ 71,3 mil/colaborador
2. Laboratório de Vazão – R$ 15,2 mil/colaborador
3. Laboratório de Processos Químicos e Tecnologia de Partículas – R$ 13,1 mil/colaborador
4. Laboratório de Referências Metrológicas – R$ 10,6 mil/colaborador

Cláudia Echevenguá Teixeira, pesquisadora do Laboratório de Resíduos e Áreas Contaminadas (ao centro), com os diretores Carlos Daher Padovezi (Operações e Negócios) e Zehbour Panossian (Inovação)
 

Individual – Publicação de Artigos

1. Cláudia Echevenguá Teixeira, pesquisadora do Laboratório de Resíduos e Áreas Contaminadas, e Célia Aparecida Lino dos Santos, pesquisadora do Laboratório de Corrosão e Proteção;

2. Amarilis Lucia C. Figueiredo Gallardo e Ana Maciel de Carvalho, pesquisadoras do Laboratório de Recursos Hídricos e Avaliação Geoambiental;

3. Neusvaldo Lira de Almeida, do Laboratório de Corrosão e Proteção, e José Luiz Albuquerque Filho, do Laboratório de Recursos Hídricos e Avaliação Geoambiental;


Patentes (sem ordem de classificação)

1. Adriano Marim de Oliveira e Lucilene Betega de Paiva, do Laboratório de Processos Químicos e Tecnologia de Partículas – Método de produção de borracha na forma sólida microparticulada e produto resultante;

2. João Guilherme Rocha Poço, do Laboratório de Processos Químicos e Tecnologia de Partículas, com três colaboradores externos – Cristalização de xilitol em água-etanol utilizando xilitol e sílica (nanoparticulada) pirogênica como semente;

3. Henrique Frank Werner Puhlmann, da Seção de Automação, Governança e Mobilidade Digital – Metodologia para a realização de medidas de precisão em transdutores cujo sinal elétrico de saída é em corrente contínua utilizando arranjo eletrônico e filtragem digital;

4. Adriano Marim de Oliveira, Natalia Neto Pereira Cerize e Silas Derenzo, do Laboratório de Processos Químicos e Tecnologia de Partículas, e Mario Ricardo Gongora Rubio, do Laboratório de Micromanufatura, com dois colaboradores externos – Processo de obtenção de ativos amorfos nanoestruturados produzidos por sistemas microfluídicos em meio aquoso livre de emulsificantes e produto;

5. Adriano Marim de Oliveira, Maria Helena Ambrosio Zanin e Natalia Neto Pereira Cerize, do Laboratório de Processos Químicos e Tecnologia de Partículas, com dois colaboradores externos – Nanofibras com substancia ativa para aplicação cosmética de liberação controlada obtidas por eletrofiação e processo;

6. Adriano Marim de Oliveira, Maria Helena Ambrosio Zanin e Natalia Neto Pereira Cerize, do Laboratório de Processos Químicos e Tecnologia de Partículas, e um colaborador externo –  Nanofibras contendo substancia ativa com liberação controlada para aplicação odontológica e processo;

7. Cláudia Echevenguá Teixeira e Sandra Lúcia de Moraes, do Laboratório de Resíduos e Áreas Contaminadas, Wagner Aldeia, do Laboratório de Processos Químicos e Tecnologia de Partículas, Andre Luiz Nunis da Silva, do Laboratório de Processos Metalúrgicos, e dois colaboradores externos – Unidade industrial de pequeno porte para tratamento e injeção de químicos oxidantes e redutores para remediação in situ de solo e água subterrânea.