Pgina inicial do IPT   >  Notícias

Notcias


compartilhe


  17.02.14

Nova anlise de plastificantes


Projeto do IPT reduz de 16 para apenas duas horas tempo para resultado de ensaio de extração de plastificantes ftálicos


Atualizada em 10/04/2015

Pesquisadores do Laboratório de Análises Químicas do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) desenvolveram um projeto que agiliza a extração de plastificantes ftálicos em brinquedos e materiais escolares, a base de poli(cloreto de vinila) - PVC. Esses plastificantes tornam os objetos mais flexíveis e maleáveis, mas existem seis tipos que são banidos pela legislação brasileira devido à ação cancerígena quando em exposição em altos níveis e, também, na exposição ocupacional (causado durante a vida laboral), o que conduziria à infertilidade de adultos.
Os plastificantes tornam os objetos mais flexíveis e maleáveis, mas existem seis tipos que são banidos pela legislação brasileira devido à provável ação cancerígena
 

O resultado, pelo método tradicional, geralmente é liberado em dois dias pois são necessárias 16 horas para a extração, que é feita durante a noite, e mais um dia para a identificação e a quantificação de material. No novo método, a agilidade é o diferencial: a extração pode ser feita em apenas duas horas e a análise logo em seguida, ou seja, o resultado pode ser liberado em um dia. Também houve uma redução no consumo de energia elétrica, por conta da redução no tempo de operação das chapas aquecedoras.

A metodologia utilizada é inovadora e única no mundo. Ajuda o solvente a penetrar no objeto e extrair o plastificante, diminuindo o tempo do processo e obtendo o resultado com mais rapidez. "A indústria é a maior beneficiária com o novo procedimento, pois ele possibilitará um resultado em menor tempo para o cliente. Recebendo o resultado, a empresa pode colocar o produto mais rápido no mercado e atingir assim mais rapidamente o lucro.", afirma a pesquisadora Shoko Ota. 


Apesar da maior rapidez do novo processo, o ensaio de 16 horas não deve ser descartado, pois ele é acreditado pelo Cgcre (Inmetro) e os Organismos de Certificação de Produtos (OCPs) exigem que as análises de brinquedos tenham o seu selo. Para a acreditação do novo projeto ainda há um espaço de dois anos, quando o Cgcre (Inmetro) deve retornar ao IPT para analisar o processo.

“A validação demanda grande esforço porque compreende inúmeras determinações variando concentração de solvente, tempo de análise, operador e matrizes diferentes.”, declara a pesquisadora Luciana dos Santos Galvão. Atualmente o projetop do IPT encontra-se em processo para obtenção de depósito da patente junto ao INPI.