Pgina inicial do IPT   >  Notícias

Notcias


compartilhe


  27.01.15

Montadora recicla


GM teve apoio tecnológico do IPT na reciclagem do material de demolição para construção de nova unidade


Com informações da General Motors

Na manhã de segunda-feira, dia 26 de janeiro, a General Motors do Brasil inaugurou seu Centro Logístico de Recebimento e Sequenciamento de Materiais Produtivos (MASC). A estrutura, localizada dentro do complexo industrial da empresa na cidade de São Caetano do Sul (SP), tem por objetivo elevar a produtividade. O diretor de Operações e Negócios, Carlos Daher Padovezi, e o pesquisador José Theophilo Leme de Moraes representaram o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) na cerimônia de inauguração.
 
O prédio inaugurado ocupa uma área de 30 mil metros quadrados e tem quase 11 metros de altura. Movimentará diariamente cerca de 1,4 milhão de componentes, entre peças de acabamento, de tapeçaria e mecânicas destinadas ao abastecimento da linha de montagem local, que produz cinco dos 11 modelos nacionais da marca.

O novo centro tem o dobro da capacidade de estocagem em relação ao anterior e possui ainda um sistema gerenciador de endereçamento de materiais mais eficiente. O MASC de São Caetano do Sul será referência para futuras unidades da companhia no mundo.
IPT deu suporte à desconstrução das antigas instalações para reaproveitamento dos resíduos de demolição. Crédito Foto: GM
 
“Gerenciar o inventário de peças e suprir de maneira ininterrupta a linha é um dos processos-chaves na fabricação de um automóvel e refletem diretamente nos seus custos”, afirmou Santiago Chamorro, presidente da GM do Brasil.

As obras duraram cerca de três anos e foram realizadas sem interrupções da produção na unidade durante o período. Tanto a demolição do antigo prédio como a construção do novo MASC foi pautado pela sustentabilidade, segundo a GM. O IPT, que é vinculado à Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado de São Paulo, deu todo o suporte à fase de desconstrução, possibilitando que o entulho fosse reciclado e aproveitado na nova própria obra, reduzindo o impacto ambiental. Segundo Padovezi, o trabalho realizado pelo IPT na GM é tipicamente multidisciplinar, ponto forte na atividade da instituição: “Neste trabalho atuaram 25 dos nossos profissionais, de sete áreas técnicas distintas, envolvendo da construção civil a madeiras. O IPT é das poucas instituições de pesquisa no País, senão a única, com capacitação para desenvolver projetos complexos tecnológicas em diversas áreas”.