Pgina inicial do IPT   >  Notícias

Notcias


compartilhe


  15.05.15

Produtividade das MPEs


IPT promove seminário para apresentar ferramentas de apoio tecnológico com depoimentos de clientes


“Em 1999, tínhamos menos de 30 países em nossa carteira de exportação; hoje estamos presentes em 110 deles na Europa, na África e no Oriente Médio, com uma fábrica em abertura na Índia. Isso foi possível graças ao respaldo tecnológico do Programa de Apoio Tecnológico à Exportação do IPT, o Progex, que auxiliou a empresa a alcançar um nível de encorajamento para levar os equipamentos médicos e de laboratório para um número maior de mercados internacionais”, afirmou o diretor da Fanem, Djalma Rodrigues, em depoimento dado durante o seminário ‘Formas de Aumentar a Produtividade das MPEs’ realizado no campus do IPT na manhã do dia 13 de maio.

Seminário organizado pelo IPT e pela Fiesp contou com a participação de 130 empresários
 
O evento promovido pelo IPT e pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) teve como objetivo divulgar as ferramentas de atuação (download da apresentação disponível abaixo) disponibilizadas pelo Núcleo de Atendimento Tecnológico à Micro e Pequena Empresa para a solução de problemas específicos objetivando, a partir de diagnósticos particulares, reduzir custos, qualificar produtos para concorrer no mercado interno, adaptar produtos para a exportação em atendimento às exigências técnicas internacionais, melhorar processos e gestão, além de apoio para uma produção mais limpa.

Rodrigues foi um dos quatro clientes a participar do seminário com depoimentos sobre o relacionamento de empresas privadas com o IPT. A Fanem buscou primeiramente o auxílio do Progex para a realização de ensaios visando à adequação dos produtos à certificação tanto do Inmetro quanto da marcação CE, e também foi a primeira empresa no Brasil a ser certificada com a diretiva RoHS, que trata da restrição ao uso de substâncias perigosas como o chumbo, para um equipamento destinado à fototerapia.

A evolução das exportações brasileiras de equipamentos médico-hospitalares e odontológicos mostra uma curva ascendente que não sofreu grandes impactos nem mesmo em períodos de crise: em 2002, os valores foram de 195 milhões de dólares e, em 2013, chegaram a 737 milhões de dólares, segundo dados da Associação Brasileira da Indústria de Artigos e Equipamentos Médicos, Odontológicos, Hospitalares e de Laboratórios (Abimo). “Hoje temos 85% de presença no mercado nacional e representamos 90% da pauta de exportação em neonatologia”, afirmou ele.

 
  • Participantes do seminário ‘Formas de Aumentar a Produtividade das MPEs’
 


Os outros três depoimentos foram de clientes que utilizaram o Projeto Unidades Móveis, o Prumo, no qual é feito um atendimento in loco ao cliente em um laboratório móvel dotado de equipamentos para realização de ensaios. Wagner da Cruz Pires, diretor da Farede Injetados Plásticos e Ferramentaria que desenvolve produtos e serviços para a fabricação de moldes e injeção de plásticos, procurou o IPT pela primeira vez para resolver um problema de quebra em cravos de solados de chuteiras em poliuretano: “Temos de agradecer a esta iniciativa importante que funciona como a extensão da fábrica de um pequeno empresário, pois ele permite ao empresário desenvolver as suas ideais e transformá-las em realidade”.

Romulo Augustus Caixeta Guimarães, diretor comercial da fabricante de chás prontos Naturilex, buscou auxílio do IPT em 2014 para solucionar dois problemas na linha de produção: a dificuldade de abertura das garrafas após o envasamento, pois a tampa de polipropileno colava no anel fabricado em etileno acetado de vinila (EVA) em função da temperatura da operação, e o rasgamento e a deformação dos rótulos.

“Procuramos o IPT pela necessidade de melhorar a produtividade porque atuamos em um segmento em que temos concorrentes como a Coca-Cola, a Ambev e a Nestlé”, explicou ele. Após o atendimento do Prumo, os resultados foram significativos: o pico de vendas dos produtos da empresa é no verão, e um aumento de 80% nas vendas no primeiro trimestre de 2015 foi registrado em comparação ao mesmo período de 2014.

O terceiro depoimento foi do empresário Rogério Sforsin, da Sforplast, empresa que atua desde 1986 na fabricação de peças para o segmento de termoplásticos, principalmente buchas. “Buscamos inovação por meio de pesquisa e encontramos uma patente vencida na Europa que no Brasil era pouco difundida, mas a bucha apresentava problemas de quebra após sua instalação, apesar da utilização da matéria-prima idêntica à utilizada na Europa”, explicou ele. A solução proposta pela equipe do Prumo se baseou na realização de análises físico-químicas e permitiu identificar a formulação correta para alterar o processo produtivo e tornar o produto confiável.

O primeiro atendimento do IPT aconteceu em 2005, em um momento em que o quadro da empresa se resumia a cinco profissionais; hoje, em 2015, são 30 empregados, e outros contratos se seguiram para o desenvolvimento de mais produtos, além da procura por novas ferramentas de apoio como o atual projeto pelo Progex voltado à exportação para Europa e EUA. “Saímos do patamar de produção de uma bucha convencional para uma bucha de valor agregado. É fundamental o empresário buscar esta vantagem competitiva”, afirmou ele. “Quando se envolve o nome do IPT, a empresa ganha credibilidade no Brasil e no exterior”.

“A inovação deve ser o caminho de todos e ela é necessária para o empresário chegar ao mercado externo. No momento em que todos os setores industriais passam por dificuldades no mercado interno, é o comércio exterior que responderá pela sua sustentação e longevidade. Em fevereiro deste ano, embarcamos 2.655 equipamentos para a Etiópia, o maior pedido embarcado da Fanem de uma única vez, no total de 189 toneladas de equipamentos”, afirmou Rodrigues. “Não existe outro caminho no Brasil: a saída é investir em qualidade e em produtividade”, completou Guimarães.