Pgina inicial do IPT   >  Notícias

Notcias


compartilhe


  03.09.15

Inovao e competitividade


Conferência da Anpei discutiu inovação como estratégia para disputa de mercados globais; IPT participou com dois cases


Sob o tema geral ‘Inovação e Competitividade Globais: Construindo as Pontes com o Futuro’, a Associação Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento das Empresas Inovadoras (Anpei) realizou a sua 15ª Conferência de Inovação Tecnológica na cidade de Recife entre 24 e 26 de agosto. O evento contou com a participação do diretor-presidente do IPT, Fernando Landgraf, na abertura dos trabalhos, e também do pesquisador Hugo Borelli Resende, que apresentou o case do Núcleo de Estruturas Leves do Instituto em São José dos Campos, no trabalho intitulado ‘Avanço no Projeto de Estabilizadores Horizontais em Fibra de Carbono para Jatos de Pequeno Porte’.

O case do IPT foi um dos 33 selecionados para serem apresentados, entre os 142 inscritos, e outro trabalho do IPT, intitulado ‘Desenvolvimento de uma metodologia de prospecção tecnológica para identificação de novas competências tecnológicas’ foi apresentado na seção de pôsteres. Seus autores são os pesquisadores Abraham Sin Oih Yu, Eduardo Albertin, Ely Bernardi, Mario Leite Pereira Filho e Renato Rosafa Gavioli.

A temática desta edição buscou a discussão da importância da inovação para a busca da competitividade nas empresas, em um cenário de competição global. Temas relacionados ofereceram uma oportunidade de aprendizado por meio de casos de sucesso selecionados, com foco em como as empresas estão usando a inovação como fator competitivo. Segundo os organizadores, “a rápida resposta da indústria nacional à crescente desindustrialização é premente e novas tendências deverão ser discutidas como a Internet das Coisas- IoT e a Indústria 4.0, além do papel das startups junto às grandes empresas. Em um cenário de instabilidades e indefinições que vivemos no Brasil de 2015 e talvez 2016, torna-se extremamente relevante que, na conferência deste ano, estejamos atentos para a adoção de modelos de inovação flexíveis e abertos, que consigam atrair pessoas com alto potencial, trabalhando em projetos que no futuro podem ser vitais para a empresa.”

O manifesto da organização do evento destaca ainda que “compreender as dinâmicas (ações) que geram competitividade aos negócios, aprofundando práticas inovadoras na oferta, na ‘infraestrutura de produção’, na relação com o mercado e o cliente, na lógica financeira e suas demandas por tecnologias e diferenciações, é o trabalho chave dos empreendedores e dos inovadores das empresas.”