Pgina inicial do IPT   >  Notícias

Notcias


compartilhe


  23.10.15

Em busca de novos mercados


Seminário promovido pela Fiesp mostra ferramentas para MPMEs aumentarem exportações, com depoimentos de clientes do IPT


“Quando uma empresa apresenta um produto e prova que as suas características são verdadeiras, isso se torna um diferencial. Os atendimentos prestados pelo IPT por meio do Programa de Apoio Tecnológico à Exportação, o Progex, e também da Gestão de Produção, o Gespro, fizeram toda a diferença para as nossas cortinas, inclusive inspirando os concorrentes a também se prepararem melhor para atender aos mercados nacional e internacional”, afirmou Alexandre Santos, da BR Goods, em depoimento a cerca de 80 participantes durante o seminário ‘Crise: Acessar Novos Mercados com Qualificação Técnica faz toda a Diferença’, que foi realizado no campus do IPT na manhã de 22 de outubro.

Alexandre Santos, da BR Goods: "Mercado é muito competitivo e aparecem todos os dias novos concorrentes, mas nem sempre conseguem transmitir segurança"
 
Especializada em produtos hospitalares e hoteleiros, a BR Goods começou no quintal de uma casa com o desenvolvimento de cortinas para hotéis. A partir de uma parceria com o Hospital Albert Einstein, a empresa passou a oferecer cortinas divisórias de leitos hospitalares, e tem hoje em sua carteira de clientes as principais redes hospitalares brasileiras, além de exportar para mais de dez mercados internacionais, incluindo EUA, Japão, Arábia Saudita e diversos países da América Latina. “Em parceria com o IPT, procuramos desenvolver todos os nossos produtos para que o cliente tenha um resultado satisfatório. O mercado é muito competitivo e aparecem todos os dias novos concorrentes, mas nem sempre eles conseguem transmitir segurança”, ressaltou ele.

O evento foi uma iniciativa da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e do IPT para auxiliar as micro, pequenas e médias empresas no processo de inserção no exterior. A importância do conhecimento de mercado para a elaboração de uma estratégia de internacionalização foi o tema discutido por Luciana Gonçalves, coordenadora de inteligência comercial da Câmara Americana de Comércio, que iniciou a sua apresentação lembrando que o Brasil responde por apenas 1,3% do comércio mundial e está em 22ª posição tanto no ranking dos maiores exportadores de mercadorias do mundo quanto no de importadores, segundo a Organização Mundial do Comércio (OMC), mas tem espaço para expandir a sua presença.

Evelyn Steiner, da Poli Óleos Vegetais: “Empreender não é para preguiçosos"
 
“Para as empresas entrarem nos EUA, é necessário um estudo de mercado, pois não se deve considerar o mercado norte-americano semelhante ao brasileiro ou mesmo ao europeu. É fundamental analisar a concorrência, lembrar que cada um dos 50 estados têm uma regulamentação e buscar um nicho de mercado”, afirmou ela, ressaltando que os EUA são atualmente o segundo maior parceiro comercial do Brasil, atrás somente da China, mas o principal destino dos produtos manufaturados aqui produzidos.

Fernando Paraíso, coordenador do Departamento de Inovação e Tecnologia na Câmara Brasil-Alemanha, enfatizou em sua apresentação a necessidade de considerar as diferenças entre os dois países: “A política comercial na Alemanha é orientada em longo prazo, enquanto no Brasil é em curto prazo; e, apesar de o quadro estar mudando, o executivo brasileiro ainda foca no mercado interno, enquanto o alemão se volta para o externo. Além disso, o apoio dado pelo governo da Alemanha às indústrias é muito forte”, afirmou ele.

O evento também divulgou as ferramentas de atuação disponibilizadas pelo Núcleo de Atendimento Tecnológico à Micro e Pequena Empresa do IPT. A diretora do núcleo, Mari Katayama, e o pesquisador Vicente Mazzarella apresentaram as soluções oferecidas para reduzir custos, qualificar produtos para concorrer no mercado interno, adaptar produtos para a exportação em atendimento às exigências técnicas internacionais, melhorar processos e gestão, além de apoio para uma produção mais limpa.

Evelyn Steiner, da Poli Óleos Vegetais, também usou os serviços oferecidos pelo Progex e afirmou em seu depoimento que “empreender não é para preguiçosos; foi por meio do IPT que consegui a adequação de produtos para exportar para a Europa, inclusive a França na qual os nossos cosméticos da marca Ikove estão presentes em 88 lojas da rede Nature & Découvertes e também no e-commerce”.