Pgina inicial do IPT   >   Publicaes   >   Publicaes tcnicas   >  Artigos Tcnicos

compartilhe

Esquemas de pintura de proteo anticorrosiva para condies especiais de exposio


Neusvaldo Lira de Almeida; Mrcio Bispo de Almeida; Taline Diir Lima; Bernardo Batista Rocha; Vitor Ribeiro Orrico


Resumo:

O desempenho de esquemas de pintura é fortemente influenciado pela qualidade das tintas, preparação de superfície e procedimentos de aplicação. Esquemas de pintura convencionais necessitam de um tempo médio de 10 dias, desde a preparação de superfície até a cura completa, considerado longo período de indisponibilização dos equipamentos. Nesse projeto, a premissa básica foi selecionar sistemas que, além de resistência à corrosão, reduzisse o tempo cura e com menor número de demãos possível, o que resultará em desempenho superior na medida em que minimiza os problemas de contaminação. Oito esquemas de pintura foram aplicados nas unidades da Vale em Vitória e em São Luís e em condições de laboratório. Os revestimentos foram submetidos a ensaios cíclicos de corrosão, imersão em água DI, em água do mar sintética e à Célula Atlas e avaliados quanto ao enferrujamento, empolamento e corrosão a partir da incisão. Para classificar os revestimentos, foi aperfeiçoado um critério baseado na norma ISO 4628 que consistiu em atribuir notas 0 a 10 para o grau de corrosão, grau de empolamento, corrosão na incisão e aderência Pull-Off. As notas foram somadas para compor a nota final. Os três sistemas que apresentaram os melhores desempenhos foram selecionados para serem estudados na Fase II do projeto. Nos ensaios acelerados de corrosão e nos ensaios de imersão, os esquemas BD; JK e FH não apresentaram enferrujamento e nem empolamento, com tratamento de superfície Sa 2½. O sistema BD foi o que apresentou melhor desempenho em Vitória e no IPT, com tratamento de superfície Sa 2½. Em São Luís, com preparação de superfície St 3, os sistemas GH, CD e FH apresentaram os melhores desempenhos, nesta ordem. O estudo mostrou ainda que o tratamento de superfície St 3, praticado regularmente em São Luís, traz prejuízos importantes para o desempenho dos revestimentos e consequentemente demanda intervalos cada vez menores de intervenções de manutenção.


Referência:
ALMEIDA, Neusvaldo Lira de; ALMEIDA, Marcio Bispo de; LIMA Dii Taline; ROCHA, Bernardo Batista; ORRICO, Vitor Ribeiro. Esquemas de pintura de proteção anticorrosiva para condições especiais de exposição. In: INTERNATIONAL CORROSION MEETING, INTERCORR, 7., 2018, São Paulo. Proceedings... São Paulo: ABRACO, 2018. 21 p. 

 
Publicações técnicas